A SER DOWN                NOSSOS
                  TRABALHOS
                    PERGUNTAS
                    FREQUENTES
       Legislação  
     Textos e Artigos
     Cadastre seu Filho
     Nossos Colaboradores
     Notícias e Dicas
     Boletim Informativo
     Links Interessantes
     Contato
PROMOVER MEIOS QUE FACILITEM O DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN PARA A SUA INCLUSÃO PLENA NA SOCIEDADE
Textos e Artigos
 


Nem sempre médicos sabem dar a notícia


Autoria: Lais Mendes Pimentel - BBCBRASIL.COM
Data: 25/7/2005
Resuno:
Comunicar aos pais que o bebê tem uma anomalia, no caso, a síndrome de Down, é um dos momentos mais delicados na vida de um médico e nem todos parecem saber como agir.


Somente nos últimos anos, a equipe médica está sendo orientada a dar a notícia aos pais da melhor forma possível, não mentindo sobre a condição, ao mesmo tempo que explicando que trata-se de uma criança como todas as outras, cujo potencial, no nascimento, é um mistério a ser desvendado. No Brasil, iniciativas como a do projeto "Momento da Notícia", criado pela APAE de São Paulo, têm buscado conscientizar profissionais da área sobre a forma mais adequada de falar sobre a chegada de um bebê que tem uma deficiência. Projetos como este poderão, um dia, eliminar situações como a vivida, por exemplo, pela procuradora da República Eugênia Fávero. 'Problema' Em 1999, ela deu a luz ao seu filho Vinícius, num hospital em São Paulo. O pediatra dizia que o menino tinha nascido ?com um problema? e não falava diretamente que se tratava da síndrome de Down. ?Meu médico chegou a dizer que eu tinha sido a primeira paciente dele a ter tido um filho com a síndrome de Down. Quando eu disse que achava que os casos eram mais freqüentes, ele me respondeu: ?Sim, mas nas outras situações, nós descobrimos em tempo?. Só depois entendi o que ele quis dizer com isso. Em tempo de fazer um aborto", conta Eugênia Fávero. O campeão de Fórmula Um, o inglês Damon Hill, e sua mulher Georgie, também foram avisados de forma traumática de que seu primeiro filho, Oliver, tinha nascido com a síndrome de Down, há 14 anos. Adoção "Eles falaram que o nosso filho tinha algo que tornaria a nossa vida bem diferente do que esperávamos", conta Damon Hill. Os médicos disseram que havia duas opções: ter uma vida difícil ao lado de uma criança que, no máximo, aprenderia a varrer o chão, ou dar o bebê para adoção. "Nós sentimos que a reação do médico foi a de que algo deu errado em algum momento. Esta é uma maneira horrível de apresentar uma nova vida. Para mim, no final das contas, tratava-se de um bebê, não fazia a menor diferença se ele tinha Down ou não. E Georgie também sentia o mesmo. Eu imagino que os médicos estavam buscando a melhor maneira de dar a notícia mas eles falharam feio. Uma atitude diferente teria nos ajudado a passar pelo choque natural do primeiro momento", disse o inglês em entrevista exclusiva à BBC Brasil. A falta de tato dos médicos pode contribuir para a rejeição, temporária ou não, do recém-nascido pelos pais.

 
 
Contato   Associação Baiana de Sindrome de Down © todos os direitos reservados