A SER DOWN                NOSSOS
                  TRABALHOS
                    PERGUNTAS
                    FREQUENTES
       Legislação  
     Textos e Artigos
     Cadastre seu Filho
     Nossos Colaboradores
     Notícias e Dicas
     Boletim Informativo
     Links Interessantes
     Contato
PROMOVER MEIOS QUE FACILITEM O DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN PARA A SUA INCLUSÃO PLENA NA SOCIEDADE
Textos e Artigos
 


A medicina moderna registra a existência de três mil síndromes cromossômicas


Autoria: Lais Mendes Pimentel - BBCBRASIL.COM
Data: 25/8/2003
Resuno:
A medicina moderna registra a existência de três mil síndromes cromossômicas e, a cada ano, novas anomalias genéticas são identificadas.


A mais comum de todas é a condição reconhecida, pela primeira vez, pelo médico inglês John Lagdon Down (1832 ? 1896). Foi em 1866 que Langdon Down, durante seu trabalho com doentes mentais, percebeu a existência de grupos distintos entre os internos de um hospício. Seguindo a tendência da ciência na época, Langdon Down atribuiu as características físicas e mentais de cada grupo distinto observado por ele a grupos étnicos, como os caucasianos, os negróides e os mongólicos. Mongolismo Neste último grupo estariam as pessoas que nasceram com a síndrome que ele definiu como "mongolismo" e que o médico inglês descreveu assim: "Eles têm o rosto mais achatado e largo, as bochechas são redondas e a distância entre os olhos maior do que o normal. A lingua é maior e a pele tem menos elasticidade, dando a impressão de ser mais larga do que o corpo", escreveu Down. Apesar de o tom de seus estudos ser, hoje em dia, considerado racista, já que ele considerava a síndrome como um sinal da deterioração da raça humana, o legado deixado por este médico inglês é, até hoje, fonte de referência para os estudos da síndrome da Down cujo nome foi oficialmente reconhecido pela Organização Mundial da Saúde em 1965. Esta foi a primeira vez que a genética foi usada para a compreensão do ser humano já que, até então, este ramo da ciência era usado basicamente na botânica como explicou o presidente da Fundação Lejeune, Jean Marie Le Méné. "Ao descobrir a origem cromossômica da síndrome de Down, o professor Lejeune mostrou a ligação entre a genética e as doenças humanas. Esta conclusão indicou também que quando nós entendermos melhor o papel bioquímico de diferentes partes dos cromossomos do par 21, vai ser possível, um dia, criar um tratamento para devolver, a estas crianças, as potencialidades que elas têm mas que, por causa desta espécie de curtocircuito, elas não podem expressar", acredita Le Méné.

 
 
Contato   Associação Baiana de Sindrome de Down © todos os direitos reservados